quinta-feira, dezembro 29, 2011

A vida passa...

Caminho por esses trilhos da vida
Sem pressa nem preocupações.
Às costas vou trazendo as lições
Que a vida me vai ensinando
Enquanto por este trilho vou andando.
Por esse caminho sem fim
Que um dia terminará, sim...
Que contradição infeliz
Mesmo sendo eu um aprendiz.

Sei que ainda no início estou,
Mas sei que para o fim vou...
Todos nós no fundo sabemos
Mas vamos fingindo que não percebemos.
Vamos adiando o inevitável.
E por vezes até a felicidade
Colocamos como sentimento abdicável.
Preocupamo-nos com tanta futilidade
E perdemos tanto tempo parados
A olhar para o nada, prostrados...
Vendo passar o tempo pelos dedos,
Que a cada dia perdem mais forças
E as preocupações tornam-se medos
A cada dia que menos te esforças...

Cada dia que passa,
Se não te esforçares,
É um dia que perdes:
Se dele não aproveitares
Cada minuto,
Cada segundo,
Cada instante da vida
Verdadeiramente sentida!

Rua Deserta

Caminho pela rua deserta,
Deambulando sem pensar.
A noite quase a acabar
E a madrugada alerta…

As pessoas essas,
Desapareceram...
Por essas travessas,
Em casa adormeceram.

O som do meu andar,
Pelas paredes faz eco.
Som assustador e seco,
Como ondas do mar
Num dia violento
Com imenso vento...

Deserta está a rua,
Como estando nua...
Mas daqui a umas horas
Vestindo a roupa que adoras,
Voltará a acordar,
Para um novo dia recomeçar.

segunda-feira, dezembro 26, 2011

Simples Natureza

O sol irradia o chão
Deste quarto frio.
Aquecendo o meu coração
Que com a luz se abriu.

Como se o tempo parasse
E eu nem sequer reparasse,
Fico aqui sentado,
Olhando para o mesmo lado.
Olhando a luz do sol,
Ouvindo o rouxinol.

Chilreiam a toda a hora,
Os pássaros lá fora.
Mil e uma músicas cantam
Que a mim me encantam.

Existirá algo com mais beleza
Que a simples natureza?