quinta-feira, fevereiro 28, 2013

Noite Noturna


Pelas paredes ecoam 
Os meus passos apressados
Que pelo nada são guiados.
Que estranho soam
As ausências dos sons diurnos
Muitas vezes inoportunos...

Tudo parece parado...

Apenas ouço o meu Fado
Ao fundo desta rua
Que a noite tornou nua...
E a calma penetra-me na pele.
Não existe em mim qualquer fel...
Como se a paz existisse
E eu apenas a assistisse...

Nenhum comentário: